World Deaf Tech

Sou, Joaquim Amado fundei e represento o World Deaf Tech (WDT) e trabalho com tecnologia para surdos, tenho trajetória de vida e estudo voltado para a inclusão do surdo por meio das tecnologias nas redes sociais reuniram-se quatro pessoas com duas características comuns: a paixão por tecnologia da informação e a deficiência auditiva. A partir do momento em que se conheceram, puderam compartilhar experiência de trabalho e ajudar a se integrar com seus colegas, superando a barreira da comunicação. Finalmente, eles decidiram fundar juntos a união de profissionais de informática surdos, o World Deaf Tech, abreviado como WDT. Tudo começou em 2012 com um encontro no Linkedin entre Joaquim Amado, do Rio de Janeiro, e Gabriele Serpi, de Roma. Joaquim e Gabriele começaram a trocar experiências profissionais e decidiram juntos procurar outroS profissionais de informática surdos no mundo. Joaquim Amado pesquisou e encontrou no YouTube em 2014 o Alfonso Balderas, cientista da computação mexicano: eles se conheceram no Skype e pensaram que poderiam se organizar juntos com outros surdos no mundo A jovem equipe de fundadores e co-fundadores da WDT foi formada: Joaquim Amado, Alfonso Balderas), José Ignácio) e Gabriele Serpi.

Os principais objetivos da WDT são:

● Lutar contra a discriminação dos surdos nas empresas de TI;

● Eliminar as barreiras de comunicação entre colegas surdos e ouvinte;

● Maximizar a acessibilidade a cursos de treinamento para funcionários surdos para torná-los mais competitivos.

O WDT visa reunir a informática surda em todo o mundo e ser seu ponto de referência, dando – lhes a oportunidade de comunicar também através da língua de sinais. O WDT também oferece tutoriais e cursos de curta duração no setor de TI (linguagem de programação, manutenção de hardware e software, glossário em termos de TI) através de seu site http://www.worlddeaftech.com Surdos que conhecem o idioma local e a Língua de Sinais Internacional podem seguir esses cursos sem encontrar a barreira de comunicação que são frequentemente encontradas na rede, onde conteúdo em áudio exclui visitantes surdos. Essas barreiras podem às vezes ser um obstáculo aos crescimentos profissionais dos surdos, desencorajando-os de procurar novo conteúdo para se capacitar para seu crescimento profissional no setor de TI